quarta-feira, 12 de outubro de 2016

MINHAS LEMBRANÇAS DE PRESENTES NA INFÂNCIA

Ganhei todos os hominhos dos cavaleiros do zodíavos com aquelas armaduras lindas, enterrei todos num monte de areia que tinha na casa da minha avó e só foram achados depois de quase um ano todos cagados.
Ganhei um carrinho de controle remoto, fui brincar com ele na rua e deixei ele cair num bueiro.
Ganhei um kit de fazer bolhas de sabão (❤), joguei a água com sabão nos olhos do meu melhor amigo, lembro muito bem dos gritos dele e dos meus também.
Ganhei um bate bate (aquelas bolas amarradas numa cordinha), fiquei tão obcecado naquilo que meu pulso ficou cheio de hematomas e um caroço enorme, meu pai disse que era um tumor maligno, nunca mais brinquei com aquilo.
Ganhei uma bicicleta BMX, troquei ela por um par de patins com outra criança.
Ganhei um Super Nintendo, abri ele pra ver como funcionava. Eu abria tudo que tinha parafuso e as coisas nunca voltavam a ser como eram. 

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Eu não gosto mais de sair na chuva, nem observo mais a cidade em movimento da janela do carro, não canto mais no chuveiro, nem sinto mais vontade de correr pelas ruas.

Não quero mais conversar sobre meus males sem cura, não tenho mais ânimo para falar da vida alheia, não me entristeço com notícias tristes nem me alegro com relatos felizes.

Não tenho mais pratos prediletos, vontade de fazer algo diferente, sinto preguiça de sair de onde estou e ando meio sonolento.

Às vezes a vida para e você não sabe se rebola sua vida para o futuro ou paraliza aqui mesmo.

Tem algo me fazendo falta, algo era para vir e não veio. Alguma coisa não acontece no meu coração.